domingo, 2 de janeiro de 2011

Panetone


Minha esposa tem verdadeira loucura por panetone. Não importa a época do ano, ela sempre arruma uma desculpa para consumi-lo. Não sou muito fã de seu gênero alimentar, mas reconheço tratar-se de uma paixão genuína. O amor da minha esposa pelos outros às vezes se manifesta materialmente nas coisas que ela gosta, ou seja, se ela gosta muito de alguém, costuma presenteá-lo com aquilo que também gosta. Minha esposa presenteia suas pessoas queridas com panetone. Outro dia ela viu vários no supermercado – encalhados depois das festas natalinas –, motivo suficiente para levá-los aos montes para casa. Quando chegamos, ela resolveu partilhá-los entre algumas vizinhas pelos mais variados motivos e foi um desses motivos que me incentivou a escrever. A minha esposa daria um panetone à uma vizinha porque esta sempre lhe dava um sorriso. A meu ver, uma troca muito justa.

Um sorriso que uma pessoa dá a outra é apenas uma troca de gentilezas, porém é gesto nobre, capaz de fazer toda a diferença para algumas pessoas. É uma pena que a falta de pequenos gestos (que são grandes demonstrações daquilo que podemos dar de melhor) são eclipsados pela dureza dos dias. Carinho, conforto e atenção, mais que substantivos abstratos (conforme aprendemos quando achava-se que a língua não possuía mobilidade) são entes concretos, cuja concretude às vezes também pode se manifestar nos panetones que minha esposa distribui.

Amo muita gente, é por isso que para materializar meus sentimentos, às vezes escrevo algumas palavras. Deve ser esse meu jeito de dar alguns panetones.

8 comentários:

  1. Que lindo gesto! Diga a à sua esposa que eu adoro panetone e que meu marido é como você, não é lá muito fã! Compro panetone na páscoa, também já inventaram...
    Ótimo ano, cheio de paz e saúde! São meus votos aqui de tão longe...
    bjs
    tais luso

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo simbolismo do panetone atavés de suas palavras. São um pesente e tanto para mim. Quanto à troca que sua esposa fez, acho fantástico. Sabe, com meus vizinhos e conhecidos aqui na cidade, prefiro mil vezes um sorriso como cumprimento do que um bom dia soando a obrigação. É bem mais cativante pela sinceridade. Abraços, meu bom Thomaz. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  3. Crônica linda demais!
    Sinto-me, realmente, muito bem presenteada!
    Quanta sensibilidade, Thomaz...
    Parabéns!
    Grande abraço,
    Zélia

    ResponderExcluir
  4. panetone a alegria! Uma bela combinação!

    ResponderExcluir
  5. Thomaz,
    linda idéia, um panetone por um sorriso!
    Um sorriso... às vezes é o que basta!
    Um 2011 cheio de realizações e harmonia!
    abs carinhosos
    Jussara

    ResponderExcluir
  6. Thomaz,

    adorei, até porque deve ser de familia, gostar de panetone, melhor ainda é presentear e nós conhecemos bem o coração enorme que minha irmã tem.
    Fica com Deus, e um ótimo 2011 para você e familia.
    Bjks! Sô

    ResponderExcluir
  7. ah, nem gosto de panetone,
    mas gostei da atitude de reconhecer o sorriso da vizinha gentil =]

    ResponderExcluir